Onboarding: o que é e como implementá-lo na sua empresa?

Por Social Bank 17 dez 21

O processo de onboarding é de suma importância para que os profissionais que chegam a uma empresa consigam se adaptar à cultura, rotina e dinâmicas corporativas de seu novo ambiente de trabalho. Esse processo, quando bem feito, pode agilizar a integração do colaborador nos processos corporativos, fazendo com que ele possa contribuir para o crescimento do negócio o mais rápido possível.

Da mesma maneira, o bom processo de onboarding contribui para que a corporação consiga reter esses novos funcionários, reduzindo a rotatividade e fazendo com que a empresa consiga manter o seu pleno potencial produtivo por mais tempo, aumentando o seu potencial competitivo.

Neste post, vamos entender de modo detalhado o que é onboarding, como funciona esse processo e as adaptações que a pandemia impõe a esse processo. Confira!

O que é onboarding?

Onboarding é o processo de familiarizar um colaborador com as políticas da organização, o que ela espera de seus profissionais e com a cultura organizacional. Também envolve a criação de um ambiente no qual o funcionário se sinta confortável o suficiente para se integrar aos seus colegas e estabelecer relações sociais de forma fluida. 

A parte burocrática do processo de onboarding também envolve o preenchimento da papelada necessária para o cumprimento da legislação trabalhista, além da entrega de todas as ferramentas necessárias para a execução do trabalho. Durante esse processo de integração, os funcionários aprendem o que a organização espera deles em termos de habilidades técnicas, interpessoalidade e proatividade.

Quando o processo de onboarding é bem feito, ele contribui para a retenção de talentos. Essa retenção costuma ser bem-sucedida quando a corporação consegue entregar, de forma rápida, a autonomia necessária para que o colaborador possa fazer o seu trabalho, sem depender de terceiros, fazendo com que eles se sintam membros valiosos e contribuintes para a organização. 

Um ponto importante a ser ressaltado é que o processo de onboarding não é apenas um trabalho do setor de RH. Os líderes da área em que o profissional trabalhará serão os responsáveis pela familiarização do colaborador com sua função na empresa, suas metas e a cultura da equipe da qual fará parte.

Como implementar o onboarding na sua empresa? 

A verdade é que não existe um padrão para o processo de onboarding, pois ele pode ser estruturado de acordo com as demandas da empresa, do que ela espera do colaborador e do nível de conhecimento que o profissional tem sobre a empresa e sua cultura organizacional. No geral, as empresas dividem o seu processo de integração em 4 etapas, que são:

  • processos burocráticos, relativos às documentações e entrega dos materiais de trabalho ao colaborador;
  • boas-vindas no primeiro dia do funcionário,
  • processo de transição para a nova função;
  • desenvolvimento contínuo, com análise do desempenho profissional e interpessoais durante os primeiros 90 dias do funcionário, até o primeiro ano de trabalho.

Há também os processos de onboarding que levam em conta a imersão na cultura da organização e nas atividades que o profissional executa. Esses programas de integração, geralmente, se concentram em:

  • Integração organizacional — em que os funcionários aprendem a história e a cultura da organização, bem como os seus procedimentos;
  • Integração social — na qual os funcionários se adaptam à nova equipe e à dinâmica social;
  • Integração técnica — quando os funcionários aprendem como executar as tarefas associadas ao seu novo trabalho.

Quanto tempo leva o processo de onboarding?

Não existe uma regra sobre quanto tempo deve demorar a integração de um novo funcionário. No entanto, é importante ser minucioso neste processo, caso o seu objetivo seja maximizar o engajamento dos funcionários, reduzindo a rotatividade. 

Algumas empresas têm um processo de integração que dura apenas um mês ou algumas semanas, o que faz com que os novos funcionários se sintam sobrecarregados com suas novas responsabilidades e não se conectem de maneira adequada à corporação como um todo.

Alguns profissionais de RH recomendam que um processo de onboarding dure cerca de 90 dias, enquanto outros acham adequado estender o processo por até um ano — pois acreditam que isso garante que os funcionários tenham os recursos de que precisam para conhecer a empresa, internalizar seu treinamento e se sentir à vontade para fazer seu trabalho conforme o esperado.

Como fazer um onboarding digital?

Com a migração para o trabalho remoto, as equipes de RH tiveram que desenvolver estratégias para o onboarding digital. Nesse cenário, é preciso utilizar ferramentas digitais e estratégias de imersão que façam o colaborador, mesmo a distância, se sentir integrado à empresa. Veja abaixo algumas dicas para esse modelo de integração.

Utilize uma plataforma para assinatura online

Para garantir que o onboarding digital seja eficiente, é importante utilizar as ferramentas certas que permitem a assinatura de contratos digitais. Uma solução bastante utilizada é o DocuSign eSignature, que possibilita a troca de documentações com uma validação jurídica otimizada.

As contratações remotas se tornaram mais frequentes durante a pandemia, por uma necessidade de isolamento social, e devem se manter com a retomada por uma questão de praticidade e desburocratização.  

A assinatura eletrônica torna essa relação mais confiável, acelerando os acordos e reduzindo uma série de processos que seriam manuais e dependeriam de deslocamentos para acontecer.

Utilize plataformas de videochamadas

Outra ferramenta que facilita o onboarding digital são as plataformas de chamadas de vídeo, que contribuem para aproximar as partes envolvidas. Por mais que as estratégias de e-mail ou troca de mensagens possam ser bem estruturadas, elas não permitem o “olho no olho”, ou seja, a relação é mais fria. 

Ao utilizar o vídeo, a frieza que a distância física poderia causar é reduzida, pois as pessoas podem conversar de forma fluida, vendo as expressões uma das outras, ou seja, o feedback é mais fidedigno. O resultado é a criação de um clima mais agradável para os envolvidos.

Deixe claro qual é a cultura corporativa

Quando o onboarding é presencial o profissional pode acompanhar in loco no dia a dia e entender quais são as bases da cultura organizacional e como funciona a estrutura da empresa. 

No processo do onboarding digital, essas informações precisam ser enviadas ao profissional, em forma de conteúdos relevantes e bem produzidos, apresentando todas as informações necessárias para que ele passe por essa imersão de maneira natural e se sinta parte da corporação e integrado ao seu setor.

Elabore um cronograma de atividades

A elaboração de um cronograma de atividades é de suma importância, principalmente na primeira semana de contratação, com algo exclusivo para o onboarding digital. O foco desse cronograma é a execução das tarefas direcionadas para que os novos talentos se adaptem à equipe. 

Sendo assim, faça uma agenda com uma série de atividades que deixem esses profissionais mais confortáveis, criando uma sensação de pertencimento, como se fosse uma conversa com os demais membros da equipe.

Esperamos que, após a leitura deste post, você tenha entendido o que é onboarding e como esse processo contribui para que os novos colaboradores se sintam integrados. Dessa maneira, ele passa a “vestir a camisa” da empresa mais rapidamente, e começa a se unir em um objeto comum aos demais colaboradores, em busca do sucesso dos negócios.

Gostou do post? Quer saber como tornar o processo de onboarding digital em sua empresa mais otimizado? Entre em contato conosco e tire as suas principais dúvidas.

Facebook Comments Box
Fechar