Gestão de recursos para o terceiro setor: 6 dicas para otimizá-la

Por Social Bank 14 dez 21

Por trabalhar com recursos limitados, as organizações do terceiro setor precisam lidar com um grande desafio: a gestão desses recursos. O foco desse modelo de gestão deve ser a priorização, com análise de demanda, planejamento e transparência.

Como as organizações do terceiro setor trabalham com causas sociais, nobres, o bom uso dos recursos promove impactos significativos na vida de uma série de pessoas, quase sempre necessitadas. Para ajudar na otimização da gestão de custos de sua instituição, neste post trazemos 6 dicas valiosas. Confira!

1. Foque no planejamento

A nossa primeira dica não poderia ser diferente, afinal, sem planejamento e organização, fica difícil fazer uma boa gestão de recursos, em todos os setores. No terceiro setor, é de suma importância que sejam contemplados os possíveis cenários no curto prazo e no longo prazo.

Como um bom planejamento, é possível entender quais são as ações necessárias para lidar com eventuais despesas que possam surgir e como alocar novas receitas. Para estabelecer esse bom planejamento, é importante que sejam feitas algumas perguntas, como:

  • Quais cenários dentro de seu contexto podem trazer impactos negativos na saúde da organização?
  • Se surgir alguma adversidade, a instituição terá o apoio de um fundo de emergência?
  • A organização utiliza boas ferramentas para a gestão dos recursos?
  • Como é feita a definição dos processos internos para que haja a garantia de estabilidade?

2. Mapeie as formas de captação de recursos

Como estamos falando de organizações sem fins lucrativos, é de suma importância o mapeamento das fontes de captação de recursos. Como há uma variação natural nesse tipo de organização, é importante que o planejamento de como ocorrerá a captação e aplicação dos recursos seja bem feito. 

Para que os bons resultados sejam efetivamente alcançados, é importante levar em consideração:

  • o mapeamento das fontes onde serão captados os recursos;
  • a definição de quais das fontes são de caráter público e as que não são;
  • a possibilidade da criação de boas campanhas de financiamento;
  • quais estratégias podem ser adotadas para essa captação — como a criação eventos, vendas de produtos e rifas.

3. Adote ferramentas e metodologias

Após o planejamento, é importante que sejam adotadas algumas ferramentas e metodologias que contribuirão para a gestão saudável do terceiro setor. Neste tópico, destacaremos duas, a auditoria interna e o balanço patrimonial. Confira.

Auditoria interna

A auditoria interna consiste na definição dos processos internos, com foco no acompanhamento do fluxo de caixa, das despesas e receitas, para identificar se realmente há transparência nesses quesitos. É verificado, também, se esses processos são executados com foco nos objetivos que a instituição busca.

Essa auditoria interna tem como foco o fortalecimento interno dos processos, dando mais dinamismo para a gestão de recursos, fornecendo um maior controle sobre o que realmente acontece na instituição. 

Balanço Patrimonial

É o balanço patrimonial que garantirá com que todas as ações da organização estejam alinhadas às despesas e receitas. Isso faz dessa ferramenta fundamental para a gestão de recursos. 

Com a implementação do balanço patrimonial, o entendimento do fluxo de caixa se torna melhor, com uma maior clareza dos recursos que entram e saem da entidade. Além disso, ele permite um acompanhamento de toda a movimentação financeira, o que contribui para uma maior transparência na prestação de contas, que, aliás, é o nosso próximo tópico.

4. Tenha clareza na prestação de contas

Não é porque a gestão de recursos do terceiro setor não vise o lucro que não deva ter uma prestação de contas. Aliás, essa é uma questão de suma importância para a credibilidade da instituição, garantindo confiabilidade dos investimentos de acordo com as demandas que a instituição busca resolver. Ter clareza nas prestação de contas é garantir que a organização está cumprindo com sua missão e suas ideias.

Por isso, para que a prestação de contas seja clara, ela precisa estar atrelada aos objetivos da organização, com os detalhamentos das fontes de captação do recurso e onde cada um foi utilizado. É importante, também, listar quais foram os benefícios trazidos por essa alocação de recursos. Todos esses links — entre a entrada, alocação e impacto dos recursos — é que farão a diferença real na vida das pessoas atingidas pelas ações da instituição.

5. Conte com uma administração eficiente

Não há boa gestão de recursos sem uma boa administração financeira, com um bom controle do fluxo de caixa, da folha de pagamentos e com um bom planejamento das despesas. Essa administração é crucial para que a organização cumpra o seu objetivo, que é a atuação social. 

Entre os pilares de uma administração eficiente está a captação de recursos, o não atraso no pagamento de despesas — evitando encargos ou multas — o planejamento a longo prazo e a organização. Para que haja essa administração eficiente, é importante que a organização conte com bons recursos tecnológicos.

6. Utilize a tecnologia ao seu favor

Com as inúmeras ferramentas tecnológicas disponíveis direcionadas a gestão de recursos, ficar atrelado a métodos de gestão anacrônicos, como os manuais ou realizados em planilhas, não é mais viável. 

A gestão do terceiro setor deve ser pautada na decência, honestidade e transparência e, para que esses valores sejam aplicados de forma prática, é importante que a organização conte com algum sistema de gestão. 

Ao utilizar um sistema desenvolvido com o foco na gestão de recursos, a organização poderá contar com uma base de dados estruturada e centralizada, que agilizará as consultas às informações e reduzirá consideravelmente as inconsistências. 

Outro benefício é a possibilidade de manter uma maior controle de segurança, pois será possível controlar e monitorar os acessos, reduzindo as possibilidades de vazamentos e acessos não autorizados, além de facilitar o rastreamento de eventuais problemas de segurança.

Por último e não menos importante, a busca pela integridade utilizando boas soluções tecnológicas permitirá a análise de dados em conjunto para a obtenção de insights importantes, que melhoraram as tomadas de decisão da organização e permitirão a identificação de problemas e soluções ocultas.

Como vimos, uma boa gestão de recursos para o terceiro setor requer planejamento, integridade, priorização e o uso de softwares direcionados para esse modelo de administração. Por isso, além de um bom planejamento, a escolha de um bom fornecedor de software é fundamental para esse processo.

Gostou das nossas dicas? Então, continue em nosso blog e veja como a pandemia afetou o terceiro setor.

Facebook Comments Box
Fechar