Economia colaborativa: faça com que ela se torne parte do seu negócio

Por Social Bank 28 jan 22

Há alguns anos a economia colaborativa se popularizou no mercado brasileiro e a ideia de um capitalismo consciente se tornou mais conhecido. Ainda que muitos gestores não tenham familiaridade com o termo ou saibam seu significado, esse processo continua relevante socialmente, ganhando cada vez mais adeptos.

Com temas como ESG e governança em alta, é praticamente impossível ignorar a demanda corporativa para que as empresas tenham uma postura mais sustentável. Além de beneficiar a sociedade como um todo, as empresas também saem ganhando: conseguem reduzir o custo e garantem mais engajamento dos colaboradores.

Mas, afinal, o que é a economia colaborativa e como implementá-la no negócio? Preparamos este artigo com algumas dicas essenciais sobre o tema. Confira!

O que é a economia colaborativa?

Também conhecida como economia em rede, a economia colaborativa refere-se ao processo em que pessoas, efetivamente, compartilham produtos e serviços. Isso se dá de várias formas: aluguel, trocas ou reutilizações.

Um exemplo interessante são as bicicletas por assinatura. Você paga um valor pela utilização, mas devolve o item para a loja depois de determinado prazo, para que outra pessoa possa utilizar. Ou seja, você usa a ferramenta sem precisar comprá-la.

Não precisamos ir muito longe para ter um exemplo mais conhecido: o Uber, serviço de transporte urbano, também utiliza a lógica da economia compartilhada para o seu funcionamento.

Quais são as vantagens da economia colaborativa?

Apesar dos simples exemplos citados acima, vale entender que a economia colaborativa é um processo extremamente amplo e benéfico, que pode ser adotado em diferentes processos da empresa, inclusive fazendo parte da cultura da organização.

O modelo, que pode ser colocado em prática por meio da terceirização de serviços ou reaproveitamento de equipamentos, por exemplo, ajuda diretamente na economia de recursos e na redução de custos com manutenção.

Entre outras vantagens, podemos citar:

  • compartilhamento de habilidades;
  • mais engajamento de colaboradores;
  • qualidade diferenciada;
  • networking;
  • reforço do compromisso social;
  • valorização da marca;
  • sustentabilidade etc.

Como implementar a economia colaborativa na empresa?

A economia colaborativa pode ser implementada na empresa tanto nos produtos quanto nos serviços prestados ao cliente. Para iniciar esse processo, você pode analisar os setores da sua empresa, identificando aqueles que podem contar com serviços terceirizados e não, necessariamente, colaboradores fixos.

Outra opção interessante são as parcerias: vale fazer um networking no mercado e buscar por empresas estratégicas, que possam trazer mais otimização a diferentes processos e mais economia para a empresa.

Em relação aos produtos, é importante priorizar a experiência do consumidor (hoje em dia está mais exigente e atento às novidades). Além de garantir uma fidelização e um engajamento com a marca, você permite que o seu cliente fique mais satisfeito com o serviço prestado.

Além de todos os aspectos citados acima, é importante entender que a economia colaborativa também deve fazer parte da cultura da organização, para que seja integrada naturalmente aos processos e necessidades da empresa. Trabalhar esse conceito com os colaboradores, ensinando onde se aplica e por que é relevante, pode ser algo essencial.

E então, conseguiu entender o que é a economia colaborativa, a sua importância e como implementá-la? Esperamos que o artigo tenha sido útil.

Facebook Comments Box
Fechar