Confira 8 tipos de captação de recursos para as empresas!

Por Social Bank 13 set 21

Qualquer empresa precisa de recursos financeiros para se manter. Porém, existem momentos em que o caixa existente não é mais suficiente, seja porque o negócio está crescendo ou porque os custos de operação aumentaram. Nessa hora, o ideal é buscar uma nova captação de recursos.

Existem diversas maneiras de conseguir esse capital extra. O ideal é que a sua empresa avalie qual forma é mais indicada para o seu momento atual, porque a escolha da modalidade de captação terá influência na sua vida financeira pelos próximos anos.

Neste artigo, separamos as 8 principais formas de captar recursos para você conhecer e escolher a melhor para a sua empresa. Boa leitura!

1. Capital próprio

O capital próprio é a primeira alternativa para a captação de recursos em uma empresa. Nessa modalidade, os sócios aportam mais dinheiro do que o investimento inicial para custear as operações ou possibilitar projetos de expansão. Nesse caso, não há mudança no quadro societário da companhia.

De fato, a disponibilidade desse crédito tem muitas variáveis, então é comum que o aporte de capital próprio ocorra em duas ocasiões:

  • em empresas pequenas, que precisam de valores mais baixos para sobreviver;
  • em empresas consolidadas, que já contam com sócios com maior patrimônio ou que têm bom histórico de distribuição de lucros.

2. Financiamento bancário

Essa é a forma mais simples e rápida de conseguir novos recursos para a empresa. Os bancos e instituições financeiras oferecem linhas de crédito especiais para empreendedores, separadas por porte e pelo momento atual do negócio. Quanto melhor for o score de crédito, mais fácil será negociar condições mais favoráveis para o financiamento.

Do mesmo modo, um dos pontos positivos do financiamento bancário é que a empresa não precisa abrir mão de participação societária, como ocorre em outros tipos de captação. Além do crédito, há outras formas de conseguir recursos nos bancos, como a antecipação de recebíveis e o desconto de duplicatas.

3. Novo sócio

Depois do aporte de capital próprio dos donos, as empresas podem buscar novos sócios para captar recursos. Existem várias motivações para uma pessoa adquirir uma parte do negócio: diversificar o patrimônio, investir em algo que acredita ter potencial para vender no futuro ou mesmo ter uma nova fonte de renda.

No caso da empresa que recebe os recursos, a quantia recebida pode servir como fluxo de caixa ou até para custear um novo projeto, além de dividir os ganhos e custos da operação futura. Novos sócios podem ser encontrados no mercado ou entre pessoas conhecidas que tenham interesse na empresa.

4. Crowdfunding

Você, provavelmente, já se deparou com alguma vaquinha virtual nas suas redes sociais. O crowdfunding é um tipo de financiamento coletivo voltado para empresas pequenas ou para projetos que ainda nem saíram do papel. Nele, pessoas que acreditam na ideia a apoiam financeiramente em troca de uma recompensa definida.

Normalmente, os donos daquela empresa ou projeto criam uma proposta descritiva que explique a ideia, a meta de financiamento, o prazo e a recompensa dos doadores, dividida por faixas de valores. Se o objetivo for alcançado, os valores são transferidos para os sócios — caso contrário, são devolvidos. Existem sites especializados em crowdfunding na internet.

5. Investimento anjo

Esse é um tipo de captação de recursos que está em crescimento no Brasil. O investidor anjo pode ser uma pessoa física ou um grupo de investidores que aportam capital em startups ou em empresas com grande potencial de crescimento nos próximos anos, em troca de uma participação no negócio.

O grande diferencial desse tipo de investimento é que não há somente a aplicação de recursos, mas também a de capital intelectual na empresa. Isso porque a figura do investidor anjo costuma ser alguém com experiência e anos de atuação no mercado, capaz de trazer o conhecimento e o networking necessários para impulsionar os resultados.

6. Venture Capital

Também conhecido como capital de risco, o venture capital é uma modalidade de investimento para aplicar recursos em organizações em troca de participação acionária — geralmente minoritária. O foco é em negócios com:

  • alto potencial de valorização;
  • bom posicionamento no mercado;
  • capacidade de trazer retorno financeiro para os investidores.

Nesse sentido, esse modelo de captação é voltado para pequenas e médias empresas que sejam promissoras e tenham um faturamento expressivo. O venture capital leva dinheiro e conhecimento para a gestão, e o objetivo é vender sua participação com lucro no futuro, o que, para a empresa, significa ter um crescimento elevado.

7. IPO

O IPO é ideal para empresas maduras, que estão consolidadas no mercado, levantarem recursos. A sigla significa Oferta Pública Inicial (em português), porque ela passa a ter ações negociadas na Bolsa de Valores. Os donos determinam o percentual de participação que será ofertado e ganham milhares de novos sócios.

Em geral, esse processo serve para a empresa levantar novos recursos, que serão investidos no crescimento do negócio, ou para os fundadores diminuírem suas participações, recebendo um bom valor por isso. Porém, apenas um grupo restrito chega até essa fase: menos de 500 companhias estão listadas na B3, a bolsa brasileira.

8. Aporte governamental

Além do capital privado, os empreendedores ou gestores de empresas também podem buscar as linhas de crédito oferecidas por entidades públicas. O Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES) é o maior fiador desses projetos, mas também existem bancos estaduais ou regionais que atuam nesse mercado.

Uma vantagem desse tipo de financiamento é a possibilidade de encontrar taxas de juros mais baixas, porque são subsidiadas pelo governo. Por outro lado, pode ser mais difícil se credenciar para esse tipo de operação, então é importante ter uma empresa bem consolidada ou aproveitar linhas específicas, como o crédito rural.

Enfim, a captação de recursos é fundamental para empresas que almejam crescer e expandir a sua atuação. Uma dica é buscar editais de captação pela internet, seja com companhias especializadas ou diretamente no site das organizações públicas e privadas. Não deixe de aplicar e acompanhar aqueles que têm sintonia com a sua empresa!

Gostou do nosso artigo? Que tal seguir os nossos perfis nas redes sociais (Facebook e LinkedIn)? Assim você ficará informado sobre o mercado financeiro!

Facebook Comments Box
Fechar