A declaração de Imposto de Renda é uma obrigação de (quase) todos os brasileiros. Uma vez ao ano, é necessário declarar para a Receita Federal todos os seus rendimentos, ou seja, tudo o que você ganhou até o dia 31 de dezembro de cada ano – como salário, venda de imóvel, venda de carro, rendimento de investimentos… e por aí vai. 

Ou seja, você precisa provar para o Governo que não deixou de pagar imposto e que está em dia com seus pagamentos.  

Apesar de parecer um pesadelo para quem vai entregar o IR pela primeira vez, a gente assegura: não é tão complicado assim. 

Respondemos as dúvidas mais comuns sobre o leão a seguir. 

Quem deve declarar? Nem todos são obrigados a fazer a declaração de Imposto de Renda. 

É preciso se encaixar em pelo menos um dos critérios abaixo, confira: 

– Brasileiros que obtiveram renda total superior a R$ 28.559,70 em 2019; 

– Quem recebeu rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados na fonte (como os rendimentos da poupança) superior a R$ 40 mil; 

– Pessoas com bens avaliados acima de R$ 300 mil em 31 de dezembro; 

– Pessoas que obtiveram receita de mais de R$142.798,50 em atividades rurais; Investidores com aplicações na Bolsa de Valores; 

– Pessoas que tenham apurado ganho de capital na alienação de bens e direitos (como venda de um imóvel, por exemplo). 

Onde fazer a declaração? A declaração pode ser entregue por meio do Programa Gerador de Declaração, basta fazer o download no site da Receita Federal.

O programa do IR também está disponível em formato de aplicativo, “Meu Imposto de Renda”, para tablets e celulares com Android ou iOS (iPhone).  

Declaração simples ou completa? Na tela inicial do programa, você tem que informar qual tipo de declaração deseja fazer. Existem dois tipos, são elas:  

Simples: é destinada aos contribuintes que tiveram poucas despesas no ano passado. A Receita aplica um desconto automático de 20% sobre todos os rendimentos recebidos em 2019, limitados a R$ 16.754,34. 

Completa: é destinada para quem teve mais gastos no ano. Neste modelo, são consideradas todas as possibilidades de despesas dedutíveis (educação, saúde, dependentes, previdência privada).

Documentos necessários? Antes de começar a preencher as informações, reúna todos os documentos e a papéis de ganhos e rendimentos, confira os principais: 

– Dados cadastrais dos dependentes (caso tenha); 

– Informe de rendimentos de ganhos. Se você for colaborador CLT, solicite ao RH da sua empresa um papel com o informe de rendimento de 2019. Se for freelancer ou autônomo, é hora de reunir os pagamentos que você recebeu; 

– Informe de rendimento de instituição financeira; 

– Despesas com saúde (plano de saúde e despesas extras); 

– Despesas com educação; 

– Comprovante de doações; 

– Comprovante de compra e venda de bens (destaque para imóvel e automóvel); 

– Comprovação de aluguel de imóveis (caso a locação aconteça por meio de uma imobiliária, não é necessária declaração);; 

– Comprovar honorário de profissionais liberais, como engenheiros e advogados; 

– Previdência complementar (demonstrativos de valores pagos a título de previdência complementar, nas modalidades de PGBL, FAPI e previdências fechadas de natureza pública; 

– Arrecadação da Previdência Social;

Agora é só começar. O programa é autoexplicativo e auxilia no preenchimento. Caso tenha alguma dúvida, basta seguir as instruções disponíveis a partir do menu “Ajuda”

Uma dica: Todos os comprovantes que você usar na declaração devem ser guardados por cinco anos, pois este é o tempo em que a Receita pode te chamar para dar explicações. 

Preciso declarar ações? Independente de ter enriquecido, perdido dinheiro ou ficado no zero em 2019, todos os investidores precisam declarar suas aplicações financeiras. Não sabe como declarar suas negociações? Veja aqui guia de como declarar ações no IR.

Prazo de entrega? O prazo para apresentação da Declaração do Imposto de Renda da Pessoa Física foi adiado do dia 30 de abril para o dia 30 de junho de 2020, de acordo com o site da Receita.  

A multa para quem perder o prazo de entrega é de 1% ao mês sobre o valor devido apurado, sendo o mínimo R$ 165,74 e o máximo 20%. 

Quando recebo? De acordo com a Receita Federal, os valores serão pagos em cinco lotes, a partir do dia 29 de maio.  

A prioridade de pagamento no calendário é para pessoas idosas (com mais de 65 anos), portadores de doenças graves e deficientes físicos ou mentais.

1º lote: 29 de maio
2º lote: 30 de junho
3º lote: 31 de julho
4º lote: 31 de agosto
5º lote: 30 de setembro 

Como acompanhar a situação da declaração? Depois de entregar a lição de casa da vida adulta, você pode acompanhar o processamento da sua declaração. Você pode fazer isso por meio da aba “Meu Imposto de Renda (Extrato da DIRPF).”, disponível no Centro Virtual de Atendimento (e-CAC)

O acesso ao serviço pode ser efetuado via código de acesso ou certificado digital. Para gerar um código de acesso, clique em “Saiba como gerar o código de acesso”, depois em “Gerar código de acesso para pessoa física” e insira o número do recibo da sua declaração entregue de 2020. 

Lembra da sua conta Social Bank! Para solicitar o Informe de Rendimentos (IR) no Social Bank, siga os passos abaixo:

1. Abra o app do Social Bank;
2. No menu principal, clique na opção “Relatório IR”;
3. Pronto! Agora é só baixar o documento ou enviar para o seu e-mail.