Se você está começando a investir, preparamos um guia de como declarar ações no Imposto de Renda 2020 para te ajudar. Independentemente de ter enriquecido, perdido dinheiro ou ficado no zero a zero em 2019, você terá que informar suas negociações ao leão.

O prazo de entrega começou no dia 2 de março e vai até às 23h59 do dia 30 de junho de 2020, de acordo com o site da Receita.  .

Veja, abaixo como você deve declarar todas as aplicações e os rendimentos obtidos com suas aplicações financeiras de renda fixa ou renda variável. 

É importante lembrar: investimentos em títulos do Tesouro Direto, Renda Fixa e Fundos de Investimentos (exceto os Fundos Imobiliários), são diretamente retidos na fonte quando você realiza o resgate.  

Ou seja, o desconto é automático. Contudo, também é preciso inseri-los em sua declaração anual.

Sem mais delongas, vamos a declaração por tipo investimento:

Renda fixa

Os investimentos em renda fixa devem ser declarados como “Bens e Direitos”. Confira o passo a passo de como fazer isso:

1) Do lado esquerdo, selecione o campo “Bens e Direitos”;

2) No primeiro item, Tipo de Rendimento, selecione a opção de Código 45 – referente a produtos de renda fixa;

3) Preencha a “Discriminação”. Neste campo, informe o nome do produto, data de vencimento e total investido até 31/12/2019;

Exemplo: “Tesouro IPCA + 2024 com vencimento em 15/08/2024. Total investido: R$ 1.836,71”.

4) No campo “Situação” em 31/12/2018, informe o preço de aquisição ou valor inicial do aporte do investimento. Deixe em branco caso você tenha iniciado em 2019;

5) No campo “Situação” em 31/12/2019, informe o saldo do seu investimento até esta data.

Caso você tenha outros produtos de renda fixa, como CDB, LCI, LCA, LC e Debêntures, repita todo o processo acima usando a opção de Código 45.

Já para declarar COE utilize o Código 49 – “Outras aplicações e investimentos”.

Rendimentos com aplicações de renda fixa

Para declarar os rendimentos obtidos com essas aplicações, primeiro, identifique se o seu produto tem rendimento tributável ou não-tributável.

Para rendimentos tributáveis:

1) Entre na opção “Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva”;

2) No primeiro item, Tipo de Rendimento, selecione o Código 6 – “Rendimento de aplicações Financeiras” e clique em “Novo”;

4) Informe se você é o titular ou dependente;

5) Informe o CNPJ da instituição pagadora, ou seja, o banco ou a corretora que você fez o investimento e o valor dos rendimentos recebidos;

6) Por fim, clique em OK.

Para rendimentos não-tributáveis:

1) Entre na opção “Rendimentos Isentos e não-tributáveis “;

2) No primeiro item, Tipo de Rendimento, selecione o Código 12.  Rendimentos de cadernetas de poupança, letras hipotecárias, letras de crédito do agronegócio e imobiliário (LCA e LCI) e certificados de recebíveis do agronegócio e imobiliários (CRA e CRI)” e clique em “Novo”;

4) Informe se você é o titular ou dependente;

5) Informe o CNPJ da instituição pagadora, ou seja, o banco ou a corretora que você fez o investimento e o valor dos rendimentos recebidos;

6) Por fim, clique em OK.

Fundos Imobiliários

Acesse o Informe de Rendimentos disponibilizado pelo seu banco ou corretora para declarar seus fundos imobiliários.

Nele você encontrará sua posição até 31/12/2019 e os proventos recebidos em 2019.

1) Na seção “Bens e Direitos”, selecione o Código 73 – “Fundo de Investimento Imobiliário”;

2) Em seguida, preencha a Localização – 105 (Brasil) e o CNPJ do fundo imobiliário; 

3) No campo “Discriminação”, coloque todos os dados do Fundo e da corretora ou banco, de acordo com o seu informe de rendimentos;

4) Por último, em “situação em 31/12/2019” e coloque o preço médio do FII identificado na discriminação.

Ações

No Informe de Rendimentos do seu banco ou corretora onde mantém o investimento, verifique a sua posição em 31/12/2018 até 31/12/2019.

Depois, é só seguir estas etapas:

1) Escolha a opção “Bens e Direitos”;

2) Adicione a sua ação com o Código 31 – “Ações”;

3) No campo “Discriminação”, você deve informar: quantidade, código das ações, tipo (preferencial ou ordinária), ordem de compra ou venda, data da operação e custo total.

Exemplo: “23 ações ordinárias da empresa Energias do Brasil, código da negociação: ENBR3F, adquiridas em 23/12/2019, junto a instituição financeira Modal DTVM LTDA. Custo total: R$ 488,52”;

4) Preencha a sua posição em 31/12/2018 e em 31/12/2019;

5) Repita o mesmo procedimento com cada uma das suas ações.

Dividendos

Nessa etapa você deve declarar os lucros que recebeu das suas ações. Veja como fazer:

1) Clique em “Rendimentos Isentos e Não Tributáveis” e em seguida em “Novo”;

2) Agora, escolha a opção de Código 9 – “Lucros e Dividendos Recebidos”;

3) Informe tipo de beneficiário;

4) Em seguida, coloque o CNPJ da empresa, ou seja, a fonte pagadora;

5) E, por fim, coloque o valor total de dividendos que recebeu durante todo o ano de 2019.

Juros sobre Capital Próprio

Nessa etapa você deve declarar os Juros sobre Capital Próprio que recebeu das suas ações. Veja como fazer:

1) Clique em “Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva” e em seguida em “Novo”;

2) Agora, escolha a opção de Código 10 – “Juros sobre Capital Próprio”;

3) Informe tipo de beneficiário;

4) Em seguida, coloque o CNPJ e o Nome da empresa, ou seja, a fonte pagadora;

5) E, por fim, coloque o valor total de juros sobre capital que recebeu durante todo o ano de 2019.

Pronto! Declaração preenchida. Lembrando que essas informações são referentes às suas ações listadas em bolsa. Aqui ensinamos você a declarar todos os seus rendimentos – como salário, venda de carro, venda de imóvel, entre outros.