Levantar e acompanhar indicadores de desempenho (ou Key Performance Indicators – KPIs) faz parte da gestão empresarial. Com esses números, é possível medir os resultados de um processo/negócio e alinhar estratégias. Não é diferente com os indicadores de clima organizacional, com foco no RH.

Esses indicadores são essenciais para compreender a situação moral da empresa, o nível de satisfação dos colaboradores, a efetividade de ações e projetos e, inclusive, para detectar gargalos, ameaças e tendências. Por isso, é preciso que você tenha bem definida em sua estratégia quais KPIs devem ser monitorados e como usá-los para otimizar sua gestão de pessoas.

Pensando nisso, reunimos os principais indicadores de clima organizacional. Confira!

1. Plano de carreira

Falta de perspectiva de crescimento e baixos salários são as maiores causas que levam os funcionários a pedirem dispensa e procurarem novas oportunidades no mercado. Logo, é importante reavaliar o programa de planos de carreira, para aumentar a satisfação organizacional e reter talentos.

Não se pode pensar que somente a remuneração seja o suficiente para estimular os colaboradores. Uma boa sugestão é garantir benefícios que realmente atendam suas demandas e expectativas, como:

  • plano de saúde (e odontológico);
  • bolsa de estudo (ou custeio percentual);
  • auxílio-creche;
  • vales (alimentação, combustível, transporte, cultura etc.);
  • previdência privada;
  • segura de vida.

Faça uma pesquisa de plano de carreira para saber quais dessas opções atendem às necessidades da sua equipe.

2. Turnover

Monitorar o turnover (evasão de funcionários) é crucial para medir o clima organizacional. Se os profissionais não param na sua empresa, ainda que tenha um bom salário, você precisa descobrir os motivos. Em geral, essa desistência ocorre porque muitos não querem ficar em um ambiente estressante, onde os colegas não se respeitam e não existe uma boa gestão de equipes.

Turnover: (N° de admissões no período + N° de desligamentos no período / 2) / Total de funcionários

O resultado ideal deve ser de, no máximo, 5% em relação ao total de contratados. Se em seu negócio esse limite é superior, você precisa criar uma política de retenção com urgência.

3. Absenteísmo

O absenteísmo nada mais é que o índice de ausências e atrasos recorrentes de um funcionário, sejam essas eventualidades justificadas ou não. Quando essa taxa fica acima do tolerado, certamente o clima organizacional está ruim.

Dessa forma, o profissional fica muito tempo afastado de suas atividades laborais e, com isso, quebra o fluxo de trabalho, levando a uma menor produtividade. Essa condição pode prejudicar todo o rendimento de uma equipe e/ou setor, além de comprometer os resultados da empresa.

É importante considerar que são diversos os motivos que levam ao absenteísmo, como:

  • acidentes de trabalho;
  • doenças (físicas ou mentais);
  • afastamentos previstos em lei;
  • bullying (assédio moral);
  • problemas pessoais.

Contudo, o motivo de ausências repetitivas pode ter a ver com problemas internos, como conflitos com colegas, excesso de trabalho, descontentamento com a gestão ou falta de engajamento. Até mesmo se o perfil do funcionário for incompatível com as funções realizadas, pode gerar grande desinteresse. Nesse caso, a gestão comportamental pode ajudar a montar uma equipe de alta performance.

Para calcular o absenteísmo, levante o total de dias de trabalho no mês e as horas diárias. Depois, multiplique pelo total de colaboradores que fazem a mesma jornada, o que vai levar ao número líquido de horas de produção.

Total de horas trabalhadas no mês: dias de trabalho no mês x horas de trabalho por dia x total de funcionários.

O segundo passo é levantar todos os atrasos, faltas e saídas antecipadas. Todos esses valores precisam ser calculados em hora, para simplificar o processo e chegar no total de horas de absenteísmo.

Horas perdidas: atrasos (h) + faltas (h) + saídas (h)

Por fim, esse índice é conseguido ao dividir o total de horas perdidas pelo total de horas que deveriam ter sido cumpridas. Esse percentual é a taxa de absenteísmo.

Taxa de absenteísmo: horas perdidas / total de horas trabalhadas no mês x 100

4. Produtividade

Esses indicadores de produtividade são essenciais para monitorar o rendimento da equipe. Só que eles variam conforme o segmento de cada negócio. Por exemplo, em uma empresa que vende produtos alimentícios, por exemplo, o faturamento obtido no mês pode ser um indicador de produtividade.

Já em uma clínica de saúde, o número de pacientes que ganham alta em determinado período é um critério mais eficiente. Ou seja, considere a principal variável do seu segmento e faça as medições regularmente.

5. Reclamações trabalhistas

Chegamos a um dos indicadores de clima organizacional mais delicados e que deve ser acompanhado com frequência. Quando um funcionário se sente prejudicado ou aborrecido com algo, ele pode pedir ajuda externa para exigir seus direitos. Se sua empresa tiver muitas ocorrências dessa categoria, fique em alerta e investigue o que está levando a isso.

O maior problema nesse tipo de ocorrência está na imagem que sua empresa pode passar tanto dentro quanto fora, o que prejudica sua reputação e gera desinteresse em possíveis talentos. Afinal de contas, se o profissional contratado expõe que alguns direitos trabalhistas não são cumpridos, todos os seus colegas e futuros funcionários saberão que existem falhas de relacionamento na cultura organizacional da sua empresa, por exemplo.

Logo, a melhor conduta é acompanhar as reivindicações trabalhistas de forma prioritária para resolvê-las rapidamente. Para conseguir esse índice, basta registrar todas as reclamações feitas. Já para corrigi-las, reúna todos os responsáveis, faça uma revisão completa no modo de tratar e atender as pessoas na empresa e monte uma boa estratégia para consertar os problemas. Esse cuidado garantirá um clima saudável e satisfatório.

6. Índice de atenção

Esse índice pode ser medido de forma individual ou por setores. O intuito de conseguir esse parâmetro é avaliar o empenho de cada funcionário no cumprimento de suas tarefas conforme as metas estabelecidas.

Ao obtê-lo, você descobre quais colaboradores estão focados em suas atividades. Entretanto, o resultado também mostrará os que passam dificuldades na execução de suas funções, o que permite saber se eles não compreenderam as metas estabelecidas, se não dominaram o serviço proposto ou se alguma ferramenta de trabalho não atendeu às suas necessidades.

Para levantar esse indicador, crie um questionário (em forma de prova) e colete feedbacks contínuos. Após obter os resultados, você conseguirá avaliar a necessidade de investir em novos treinamentos, promover campanhas de incentivo, adquirir ferramentas automatizadas, entre outras intervenções.

Esperamos que os indicadores de clima organizacional mencionados possam ajudar você a melhorar o ambiente de trabalho da sua empresa. Com eles em mãos, você saberá quais ações terão de ser tomadas para manter a motivação da equipe sempre em alta, além de reter talentos.

Então, gostou deste conteúdo? Que tal aproveitar o gancho da leitura para aprimorar seus conhecimentos sobre gestão de pessoas? Descubra como pequenas empresas podem motivar seus colaboradores.