O setor alimentício emprega centenas de milhares de pessoas e movimenta bilhões de reais a cada ano no Brasil. Nesse momento de expectativa de crescimento econômico no país, quais são as tendências do mercado para os próximos anos?

Ao longo do post, vamos abordar justamente algumas dessas questões, tratando desde os diferenciais procurados pelo público quanto as perspectivas para o país, que deve retomar um crescimento mais acentuado já a partir de 2020.

Hora de devorar o texto! Siga em frente para saber mais!

Quais são as principais tendências do setor alimentício?

Como a maior parte dos setores da economia, o setor alimentício também passa por constantes atualizações. Seja por novas descobertas da ciência a respeito do potencial nutricional de um alimento, seja pela maior praticidade proporcionada pelas entregas via aplicativo, o fato é que é preciso se manter constantemente antenado ao que o mercado deseja para permanecer como uma opção relevante para os consumidores. Confira as principais tendências do setor!

Lanches personalizados

A personalização de lanches é uma tendência cada vez mais forte no setor alimentício. Isso ocorre tanto pela exigência dos clientes, que desejam ter opções variadas e de acordo com seu gosto pessoal, quanto por questões relacionadas à saúde e bem-estar.

Restrições alimentares como a proibição do consumo de glúten e lactose, para ficar apenas nos exemplos mais corriqueiros, vem demandando um maior jogo de cintura por parte dos fornecedores de alimentos.

Nesse cenário, a oferta de lanches personalizados se torna não apenas um diferencial, mas uma verdadeira necessidade para a sobrevivência de um negócio no ramo da alimentação. Afinal, estar à disposição do maior número possível de potenciais consumidores é o que alavanca qualquer restaurante ou lancheria.

Isso não significa cozinhar exclusivamente para uma pessoa, porém, oportunizar aos clientes a chance de escolher determinados ingredientes ou combinações de pratos de forma eficiente é uma boa dica!

Crescimento do delivery

O brasileiro se acostumou a receber seu almoço, lanche ou jantar em casa. Com a febre dos aplicativos de tele-entrega, ficou cada vez mais fácil escolher os pratos do restaurante favorito da família — mesmo aqueles que, tradicionalmente, não ofertavam delivery. Para quem é solteiro, então, a alimentação ficou ainda mais prática, sem a necessidade de cozinhar para uma pessoa só.

Some a isso as longas distâncias a serem percorridas nas grandes cidades, as horas desperdiçadas no trânsito e, é claro, a violência das ruas para explicar por que o crescimento do delivery é tão significativo. O desemprego também levou muitos profissionais a atuarem como entregadores de aplicativo, aumentando a oferta desse serviço no mercado. Estar preparado para atender a essa clientela é fundamental para atingir as metas de vendas no setor alimentício.

Grab and go

Além do crescimento do delivery, outra opção que caiu no gosto do público é o chamado “grab and go”. Trata-se de lanchinhos rápidos que são vendidos já prontos, para quem está passando rapidamente por uma padaria ou loja de conveniência e não tem muito tempo para comer.

Porções de frutas já cortadas, sanduíches, saladas e outros itens que possam ser consumidos no caminho entre um compromisso e outro entram nessa categoria. Só é preciso ficar atento ao tipo de embalagem oferecida, tema do próximo tópico!

Utilização de embalagens ecológicas

Por mais que um produto seja de excelente qualidade — no caso do setor alimentício, pratos e lanches saborosos, nutritivos e saudáveis —, tudo pode ir por água abaixo caso não seja dada a devida atenção a um detalhe importantíssimo: as embalagens. Com o crescimento da consciência ambiental e da importância de preservar os recursos naturais, os consumidores vêm procurando comprar de empresas que também tenham isso em mente.

Evitar o uso de sacolas, copos e canudos plásticos, de difícil decomposição, é essencial. Alguns estados brasileiros, inclusive, já proíbem muitos desses itens, mesmo para pequenas empresas. A solução é buscar alternativas sustentáveis, como embalagens reutilizáveis ou de rápida decomposição, com o menor impacto possível ao meio ambiente.

Alimentos “raw” (crus)

A chamada “dieta raw” vem se popularizando cada vez mais, especialmente perante o público vegano. Isso porque o consumo de alimentos crus ou cozidos por pouco tempo em temperaturas de, no máximo, 42° C, é considerada ideal pela manutenção integral dos nutrientes, especialmente de legumes e verduras.

Atender esse público é importante para os negócios, no entanto, a oferta desse tipo de alimento deve ser feita com cuidado redobrado, já que a falta de cozimento pode facilitar a presença de bactérias e outras impurezas.

Cafés especiais

O cafezinho sempre esteve em alta em nosso país. Fazer uma pausa para uma xícara de café e um bate-papo descontraído no intervalo do trabalho, da aula ou mesmo em casa, entre familiares a amigos, é tudo de bom! A novidade é que o paladar do brasileiro vem se adaptando a cafés especiais.

Capuccinos, mocaccinos, cafés gelados, macchiatos e diversas outras saborosas opções vêm se tornando comuns no dia a dia. Justamente pelo fato de os cafés especiais já terem caído no gosto do público, o investimento neles tem excelentes chances de retorno!

Lanches e sobremesas saudáveis

Além das restrições alimentares de parte significativa da população, o fato é que as pessoas não aceitam mais qualquer tipo de comida no seu dia a dia. Mesmo quem tem pouco tempo para fazer uma refeição balanceada procura alternativas mais saudáveis — frutas no lugar de biscoitos, água ou suco natural no lugar de refrigerantes, saladas no lugar de sanduíches, e por aí vai.

É claro que nem todo mundo gosta de uma alimentação tão natural, porém, mesmo aqueles que optam por pães, bolachas e bebidas industrializadas têm preferido versões mais saudáveis desses lanches — sanduíches com pão integral, biscoitos sem lactose e glúten e sucos 100% naturais no lugar de néctares adoçados artificialmente são alguns exemplos de como esse mercado tem crescido e encontrado consumidores.

Coquetéis da estação

As bebidas frias costumam ser um dos principais impulsionadores de resultados no setor alimentício. Oferecer aos clientes coquetéis feitos a partir de frutas da estação é mais uma ótima ideia para quem deseja fidelizar o público.

Além de diminuir o investimento necessário nos ingredientes — afinal, as frutas da estação são mais baratas —, o ciclo econômico também é mais sustentável, já que os gastos com armazenamento e transporte de alimentos fora de época são maiores e têm mais impacto ambiental.

Como foi o crescimento desse setor nos últimos anos?

De acordo com o mais recente relatório divulgado pelo Instituto Foodservice Brasil (IFB), em 2018, o setor alimentício tem passado por períodos de altos e baixos. No entanto, comparado a outros setores da economia nacional, que vêm sofrendo com a crise dos últimos anos, pode-se dizer que atuar no ramo da alimentação ainda é uma oportunidade de bons ganhos no Brasil.

Em julho de 2017, por exemplo, as vendas nominais tiveram um crescimento de 8,3% na comparação com o mesmo mês em 2016. Em julho de 2018 o crescimento foi menor, de 4%, porém, se comparado ao Produto Interno Bruto Nacional (PIB) de 2018, que teve crescimento de apenas 1,1%, o setor alimentício esteve bem mais avançado e foi um dos propulsores dos resultados econômicos do Brasil no período. Os números de 2019 ainda não foram detalhados pela IFB.

No entanto, já se sabe que, no primeiro trimestre de 2019, o crescimento da indústria de alimentos de forma geral foi de 1,3%, de acordo com dados da Associação Brasileira da Indústria de Alimentos (Abia). Ainda com base nesse material, as áreas com maior crescimento foram as seguintes:

  • conservas de frutas e vegetais (extrato de tomate, milho e goiabada);
  • sucos;
  • outras bebidas (água e refrigerante);
  • carnes e proteína animal;
  • óleos e gorduras.

Qual é a perspectiva de crescimento do setor alimentício no Brasil?

Projeções são sempre difíceis de serem feitas com precisão, no entanto, o mercado sempre dá alguns sinais que não podem ser descartados. Com a expectativa de melhora, embora tímida, da economia brasileira em 2020, a tendência é de que o setor alimentício acompanhe essa evolução.

A queda no desemprego e o maior consumo das famílias têm impacto direto em restaurantes e lancherias, já que as visitas aos estabelecimentos favoritos se tornam mais frequentes e, estando lá, a tendência é de que mais pratos sejam degustados. A projeção de um PIB de 2% para o Brasil em 2020, divulgada inclusive em documento do Fundo Monetário Internacional (FMI), eleva o otimismo no setor.

Como adaptar o meu estabelecimento de acordo com essas novas tendências?

Tendências vêm e vão, por isso, saiba que mesmo ao apostar no que vende mais hoje, isso não assegura bons negócios no futuro. Ainda assim, não dá para ficar parado no tempo. É essencial investir para que um estabelecimento no setor alimentício continue prosperando. A seguir, vamos trazer algumas dicas sobre o tema. Acompanhe!

Crie pratos “instagramáveis”

As redes sociais seguem em alta. As pessoas gostam de registrar seus melhores momentos e compartilhá-los com amigos e a família. O Instagram, especialmente, continua com tudo, sendo um espaço para mostrar um pouco do dia a dia de quem utiliza o aplicativo.

Não é de hoje que fotos de pratos de dar água na boca são os conteúdos preferidos de boa parte dos usuários dessa rede. Por isso, aposte na apresentação de todos os itens do seu cardápio, use muitas cores e capriche no potencial “instagramável” do seu restaurante. Não esqueça que uma luz bacana no ambiente faz toda a diferença!

Invista em uma cadeia de fornecedores sustentável

Dê preferência a fornecedores locais, que produzam alimentos orgânicos nos quais você pode confiar. Evite trazer ingredientes de muito longe, para garantir seu frescor e poupar o planeta da poluição emitida por aviões e caminhões. Se tiver oportunidade, cultive alguns alimentos você mesmo. O importante é incentivar a produção local e, ao mesmo tempo, servir bem os clientes, com pratos de qualidade e muito sabor.

Esteja preparado para o maior número de clientes possível

Alguns clientes chegarão ao seu restaurante ou lancheria e desejarão fazer a refeição ali mesmo. Outros vão pedir para entregar o seu prato favorito em casa. E outros, ainda, darão uma passadinha rápida, no esquema grab and go. O importante é estar preparado para atender a todos eles com a máxima eficiência e qualidade — afinal, todos são consumidores com potencial de retorno, e sua experiência fará com que ele recomende o seu negócio para os amigos ou não.

Como vencer a concorrência e me destacar no mercado?

Os negócios do setor alimentício sempre têm um alto potencial, afinal, todo mundo precisa comer e as pessoas adoram experimentar novidades! No entanto, a concorrência também é grande, por isso, é fundamental saber o que fazer para se destacar no mercado. Veja mais algumas dicas!

Conheça a concorrência

Você sabe com quem está competindo? Esse é o primeiro passo para se colocar à frente da concorrência. Sem saber o que os outros oferecem aos seus clientes, fica praticamente impossível se destacar.

Forme a melhor equipe

Por mais que um negócio dependa muito do espírito empreendedor do seu proprietário, não tem jeito: ninguém consegue nada sozinho na vida. Assim, formar uma equipe altamente qualificada e treiná-la para prestar um serviço de excelência é essencial. Quantas vezes você deixou de ir a um restaurante com comida melhor do que seu concorrente porque o atendimento não era bom? Pois é…

Invista em marketing

Pode parecer um clichê, mas a verdade é que a propaganda ainda é a alma do negócio. Isso não significa necessariamente comprar espaços na grade da emissora de maior audiência no intervalo da novela, nem um anúncio de página dupla no jornal de maior circulação. Veja algumas dicas de marketing:

  • tenha uma estratégia de marketing digital — as pessoas estão cada vez mais conectadas, logo, marcar sua presença nas redes sociais, WhatsApp e blogs é essencial. Promova conteúdos compartilháveis;
  • crie um aplicativo próprio — o ideal é que o estabelecimento tenha seu próprio app, com informações relevantes, avisos de promoções, descontos e outros conteúdos. Caso não seja viável, pelo menos marcar presença nos apps de delivery, como iFood e Uber Eats, é obrigatório hoje em dia;
  • tenha sempre uma promoção em vigor — procure atrair consumidores todos os dias. Na segunda-feira, coloque um prato em promoção, na terça ofereça uma bebida de graça, na quarta-feira oferte uma rodada dupla no happy hour, e assim por diante. Procure guardar o melhor para os dias de menor movimento, para motivar as pessoas a irem até o seu estabelecimento.

Entendeu quais são as principais tendências do setor alimentício? Procuramos esclarecer os pontos mais relevantes neste artigo, com o objetivo de ajudá-lo a obter sucesso com o seu negócio.

Caso tenha apreciado o conteúdo, compartilhe-o nas suas redes sociais!